Existe uma esperança para a humanidade? É certo que sim, mas o futuro não dependerá dos homens. Depois da Grande Tribulação, o período de dores pelo qual passará a humanidade, a vida planetária será reconstruída. À frente desse movimento de restauração estará o Povo escolhido e as nações convertidas à verdade Divina. A humanidade tomará ciência de que a civilização não pode ter existência definitiva, pela ação de sistemas políticos que, embora tenham feito parte da história progressiva, já estão exauridos. Serão substituídos por uma espécie de teocracia. Nessa política de Deus, haverá uma consciência coletiva das leis naturais e dos deveres de cada cidadão, em relação às demais pessoas, às regras constituídas, à natureza e à Criação.

As atividades de produção, comércio e consumo, virão a ser gradualmente substituídas por mecanismos mais justos e duradouros, voltados para atenderem as necessidades da população. A justiça do Eterno Deus, o amor e a fraternidade serão instituídos em todos os lugares. Os homens caminharão juntos, num mesmo sentido, para reorganizarem a vida nos países, em face da grande destruição provocada pelo Apocalipse. Será um tempo de dificuldades, mas de esperança no cumprimento dos planos Divinos, conforme as promessas das Escrituras. Desaparecerão da Terra todos os males gerados pela ignorância dos homens, em relação àverdade Eterna e aos mecanismos da Criação.

Isaías diz que nessa Nova Jerusalém toda criança vai morrer de cem anos, mostrando que o flagelo da morte prematura, não mais existirá. A longevidade se estenderá progressivamente, pelo equilíbrio do meio ambiente e da justa comunhão da alma e seu Criador. Será uma moderna humanidade, a Nova Jerusalém dos profetas. A partir de então, o homem conhecerá os segredos da Criação e a ciência se desenvolverá a um nível inimaginável. As falsas religiões e doutrinas de engano, a idolatria, o radicalismo religioso e político, todos esses males serão extirpados da face do planeta. “Toda a planta que o Pai Celestial não plantou, será arrancada pela raiz”, disse o Cristo.

A terra prometida não será somente a Canaã geográfica, como foi no passado, mas a nova humanidade. Não haverá governo político ou militar. Um estilo de vida coletiva, guiada pelo verdadeiro amor, igualdade e fraternidade, segundo as leis naturais que regem o Universo, estará em todos os lugares. Judeus, cristãos, muçulmanos e gentios estarão todos reunidos num mesmo coração e pensamento, não mais como povos separados pelo sectarismo político ou religioso, mas como irmãos.

A Nova Jerusalém é a simbologia da moderna humanidade, que vai surgir após a crise do juízo final. Ao longo do tempo, o planeta se desenvolverá em plenitude, até que sua civilização venha contatar outros mundos habitados. O Eterno mostrará a todos os homens, que nada está fora de Sua onipresença e onisciência. Ele fez todas as coisas para os homens e, com certeza, vai proporcionar os meios para que a vida venha ser desfrutada por todos, sem qualquer tipo de injustiça ou temor. O mundo de paz, sonhado por tantos idealistas, será estabelecido para sempre. Este é o projeto do Deus de Israel para todos os homens.