Ao dizer “somos mais que vencedores”, Paulo não se referia a vitórias relacionadas com as coisas do mundo. Não são poucos os que usam da Palavra de Deus de maneira distorcida, para justificar as coisas loucas que fazem. Basta ligar a TV para ver a triste situação em que se encontra boa parte do Povo, sendo enrolado por pastores que pregam a busca pela prosperidade e milagres insanos. Como já afirmamos cada um é livre, para fazer o que bem entende. Embora não pareça, isso é o espírito da apostasia. Não podemos nos esquecer, porém, que na terra do Senhor, semear é livre, colher é obrigatório. Portanto, o juízo vem sobre toda a humanidade e vai começar pela Casa do Senhor.

Nós, que somos o Povo Escolhido, amamos a Deus e a Jesus Cristo. Devemos abrir olhos e ouvidos; dilatar mentes e corações, para não sermos enganados. O Povo de Deus não tem uma denominação específica. Está em todos os lugares, frequentando uma ou outra igreja, ou fora delas. Sabe que a vida não tem nenhum sentido, se não for baseada nas promessas de liberdade e salvação, feitas pelo Eterno, desde as antigas gerações. Sendo assim, as ovelhas do Senhor, independente de estarem aqui ou acolá, precisam acordar do sono letárgico que o mal impôs à igreja. É urgente perceber o chamamento de Deus e conhecer as verdades do Espírito, que nos fazem partícipes da história e nos coloca como futuros conselheiros do mundo, perdido em ilusões e pecados.

Se somos mesmo a geração bendita, não é possível continuar vivendo como homens comuns, correndo atrás de riquezas, empregos maravilhosos e gozos passageiros. Nossa vida deve ser o mais simples possível, sem grandes necessidades e sonhos mundanos. Só assim, estaremos mais perto de Deus e de seu Cristo. Lembremos de que Paulo também afirmou que o amor ao dinheiro é a raiz de toda espécie de males. Não é apenas de alguns, mas de todos. Essa não ser a preocupação a nossa meta de vida. Andar com Deus exige mudanças profundas na conduta. A Palavra afirma que somos deuses por isso, não podemos nos ver com meros personagens da vida que se acaba, mas sim, daquela que seguirá eternamente. Isso quer dizer que, depois da morte física, vamos continuar existindo em outro tempo e espaço, até que Deus nos conceda viver de novo.

A Nova Jerusalém é o mundo novo, o lugar do nosso futuro. Somos mais que vencedores, por causa do Evangelho. Vencemos o pecado e temos lutado bravamente contra ele. Caímos e levantamos não se sabe lá quantas vezes. Ficamos aflitos e angustiados, frente a tantas incertezas. Dormimos mal. Somos humilhados por espíritos, por homens maus, por pessoas que desejam nossa derrota. Vivemos em perigo! Por amor a Jesus e temor a Deus, somos mortos todos os dias. O Cristo, porém, nos tira da morte para a vida, todos os dias. Aleluia!

Somos guerreiros do Senhor dos Exércitos. Não lutamos pela posse dos bens terrenos, mas sim porque desejamos os que são eternos. Impossível ser de outra maneira, uma vez que a Palavra de Deus aponta para esse, e somente esse caminho. Quem afirma que existe fundamento bíblico para a teoria da prosperidade; quem diz que Deus criou você para gozar a vida mundana, distorce os ensinamentos gerais dos Escritos Sagrados, pois, todos apontam para o Reino que vai ser estabelecido nos céus e na terra.

O versículo 36 de Romanos 8, afirma: “Por Ti, somos entregues a morte, todo, dia”. Não somos entregues ao sofrimento, às provas, aos desafios, às humilhações, por causa dos prazeres carnais, mas por Jesus, nosso Senhor. Deus é o justo juiz e não são poucos que vão ranger dentes. A pessoa que fizer opção pelo Eterno, não pode se calar sob nenhum pretexto, diante de injustiças e das falsas doutrinas. Não se pode ser omisso diante da mentira e das meias verdades, anunciadas no rebanho. Somos o sal da terra e se ele for insípido, se não salgar, para nada mais presta, senão para ser jogado fora e acabar pisado pelos homens. Não é isso o que queremos para nós. Mãos à obra, Povo Santo de Deus!