Blog Meu Povo - Cristãos e Judeus - Unificação - Ciência Eterna

Ir para o conteúdo

Filhos do Altíssimos e filhos de Belial

Cristãos e Judeus - Unificação - Ciência Eterna
Published by em Meu Povo · 8 Julho 2017
Pela boca de Moisés vieram as primeiras orientações necessárias para que os filhos do Altíssimo se prostrassem perante Ele e o adorassem em espírito e em verdade. Desta maneira encontrariam forças, sustentação e vitórias em suas lutas e conquistas. E assim foi por certo tempo até que o Senhor, atendendo a um pedido desse Povo, nomeou um rei para liderar as tribos que estavam espalhadas, cada um por seu caminho, sob o jugo de reinos cruéis e sanguinários.

O profeta Samuel, cumprindo a determinação de Deus, confiou a missão ao filho de Quis, o jovem e corajoso Saul. Ao apresentar o rei ao Povo, o profeta exalta a figura de Saul, escreve as regras do reino, dispõe perante o Senhor e dá por terminada a missão da nomeação, despedindo todos para suas casas. Dizem os Escritos Sagrados que foram com Saul aqueles cujos corações Deus havia tocado. Porém, dentre o povo, existia os descontentes com a escolha: “Mas os filhos de Belial disseram: É este o que há de nos livrar? E o desprezaram e não lhe trouxeram presentes; porém ele se fez como surdo”.

Em toda a história do Povo Santo encontramos esse tipo de almas, revestidas de sua própria sabedoria, sustentadas em suas próprias convicções, encerradas em suas vaidades, que não se submetem a Deus, embora digam em alto e bom som que o Pai está à frente de suas vidas. Elas desconsideram a ordem do Senhor, lançada desde o princípio por Moisés. São murmuradores, almas insatisfeitas, ingratas, espíritos soberbos, blasfemos, amantes de si mesmos, cuidam apenas de seus interesses. O apóstolo Paulo aconselhava Timóteo a apartar-se dos tais.

Esse espírito ainda permanece no meio do Povo de Deus. E está ainda mais arrogante por causa da ilusão causada pelo sistema do mundo, que ensina que todos são livres para fazer o que bem entendem. E por causa da disponibilidade do conhecimento da ciência para todos, julgam saber de todas as coisas. Ainda, o Apóstolo instrui que esses, por causa do orgulho e vaidade de suas mentes, “aprendem sempre e nunca podem chegar ao conhecimento da verdade”.

Saul, Davi e Salomão sempre enfrentaram figuras que julgavam saber mais do que os ungidos de Deus. O próprio Jesus Cristo foi julgado e condenado por esse espírito, tamanho é a gravidade desta atitude de desobediência. Ficavam em dúvida quanto à natureza divina do Senhor, unicamente porque contrariava seus princípios, doutrinas e interesses. Estavam em trevas e julgavam ter luz. O Senhor Jesus os advertia: “Se a luz que há em ti forem trevas, quão grandes serão tais trevas”. Mas não tinham ouvidos de ouvir.

Nos tempos atuais a situação nas igrejas cristãs é a mesma. Precisamos ter plena consciência de que tudo o que fazemos em torno da Palavra de Deus é muito grave e traz consequências. Todas as coisas que envolvem o Senhor devem ser tratadas com sobriedade, temperança, prudência e obediência. Os filhos de Belial são desprovidos destas virtudes porque não buscam ao Deus da verdade, mas somente a própria glória.

Ouve, Israel! Busquemos a humildade. Busquemos a sinceridade. Submetamo-nos às ordens de Deus como nos primeiros dias. Grandes coisas foram anunciadas, mas nem todas compreendidas. Assim como a semente que é jogada no terreno precisa de tempo para germinar, também nossas almas precisam de tempo para que floresça em nossos corações toda a Verdade do Altíssimo que foi anunciada. Sigamos confiantes, pois o Espírito de Deus está à frente de tudo, guiando seu Povo ao seu glorioso destino. “Espera no Senhor e Ele fortalecerá o teu coração”.

“Ouve, Israel, o Senhor nosso Deus é o único Senhor! Amarás, pois o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças. E estas palavras, que hoje te ordeno, estarão no teu coração; e as ensinarás a teus filhos e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te e levantando-te” (Deuteronômio 6.4-7).

Referências: (I Samuel 10.17-27/Mateus 6.23/I Timóteo .7/Salmos 27.14)



Sem comentários

Segunda a Sextas-Feiras
das 9 às 17 horas.
Fone: (17) 32258229
Segunda a Sextas-Feiras
das 9 às 17 horas.
Fone: (17) 32258229
Fone: (17) 32258229
Segunda a Sextas-Feiras
das 9 às 17 horas.
Fone:
(17) 32258229
Segunda a Sextas-Feiras
das 9 às 17 horas.
Voltar para o conteúdo